2017 foi um ano de comemorações, sendo os 30 anos do NATIVÃO um dos marcos. De grande relevância para a UFRGS, Prof. Gerzy Maraschin, Prof. Paulo Carvalho, Prof. Carlos Nabinger e todos os alunos que durante suas graduações e pós graduações acompanharam esse experimento. Para registrar esta data, no dia 24 de novembro de 2017 foi realizado um dia de campo na estação Experimental da UFRGS, em Eldorado do Sul.

O experimento iniciado 30 anos atrás teve por objetivo inicial avaliar as diferentes pressões de pastejo e seus rendimentos de produção de carne, implantado pelo Prof. Gerzy Maraschin.  Após, sob o comando Prof. Paulo Carvalho, começou-se a estudar se as pressões de pastejo fossem alteradas durante as estações dos anos quais seriam os benefícios dessas mudanças.

Esses resultados foram explicados nas apresentações a campo, durante a manhã. A seguir algumas das aplicações práticas dos conhecimentos gerados no Nativão:

  • Oferta de forragem e manejo da estrutura do pasto são chave para alcançar boa produtividade e manutenção do ecossistema;
  • Ofertas de forragem variáveis, 12 % do peso vivo por dia (verão, outono e inverno) e 8 % na primavera representam maior produção de pasto e ganho de peso animal, atingindo-se ~250 Kg de PV/ha. Isso representa manter uma massa de forragem entre 1400 e 2200 kg de matéria seca/ha;
  • Altura do estrato entre touceiras entre 9 e 13 cm proporciona maiores taxas de consumo. Cobertura por touceiras menor que 35 % permite melhor aproveitamento da área e produção animal. O consumo dessas touceiras representa importante fonte de forragem para o período de outono e inverno;
  • A eficiência de colheita deve ser entre um terço e um quarto da forragem produzida. É preciso sobrar pasto para manter uma pastagem saudável, e sobrar pasto não significa desperdiçar produção;
  • No Nativão, foram identificadas 256 espécies botânicas, pertencentes a 37 famílias, sendo as Poaceae, Asteraceae e Fabaceae as de maior importância. Além disso, foram encontradas 29 espécies de besouros rola-bosta, 59 espécies de formigas e 24 de colêmbulos, sendo os tratamentos de ofertas média e alta com maior diversidade;
  • Ofertas muito baixas, como 4 % têm impactos negativos como redução da matéria orgânica, taxa de infiltração e perda de nutrientes no solo;
  • A emissão de metano por kg de peso vivo produzido é menor nos tratamentos com oferta de forragem intermediária e alta. E o tratamento de alta oferta (16%) tem potencial de aquecimento global negativo, ou seja, sequestra mais carbono do que produz no sistema.

Na parte da tarde teve dois painéis, sendo o primeiro mediado por Davi Teixeira (diretor executivo da SIA), que teve seu doutorado realizado nesse experimento, com participação dos Profs. Maraschin e Aino Jacques. O segundo painel mediado por Prof. Paulo Carvalho, contou com a presença de Carolina Bremm (FEPAGRO), Júlio Kuhn (FEPAGRO), Olivier Bonnet (UFRGS) e Cassiano Pinto (EPAGRI).

Com os resultados desses 30 anos, foi elaborado um boletim técnico, que pode ser acessado no link a seguir: http://www.ufrgs.br/gpep/documents/livros/Boletim%20Nativ%C3%A3o.pdf